today 777 baixar -Nesta semana, ganhou destaque o anúncio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), sobre o Projet

Impactos da Excltoday 777 baixar -usão da CLT nos Apps de Delivery

Nesta semana,today 777 baixar - ganhou destaque o anúncio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), sobre o Projeto de Lei Complementar (PLC) que trata da vida profissional dos motoristas de aplicativos. A proposta foi apresentada ao Congresso Nacional e estabelece uma “nova forma de relação de trabalho intermediada por empresas que operam aplicativos de transporte remunerado privado individual de passageiros em veículos de quatro rodas”.

Continua após publicidade

Ou seja, ele inclui os quase 800 mil condutores que hoje prestam serviços por meio de aplicativos no Brasil. Durante a cerimônia oficial de apresentação do PLC, Lula afirmou: "os trabalhadores vão prestar serviço, vão ser respeitados por isso..."

De acordo com o governo, o projeto é fruto de um Grupo de Trabalho Tripartite com representantes dos trabalhadores, empresas de plataforma e governo, instituído em 1 de maio de 2023. Cada segmento teve direito a 15 indicações, o que sugeria que, se governo e trabalhadores colaborassem, por meio de seus 30 representantes, o resultado seria uma proposta favorável aos trabalhadores. Foi o que aconteceu?

Existem duas formas de avaliar o significado real deste PLC para os motoristas de aplicativos.

A primeira é considerar que não havia regulamentação profissional desses trabalhadores e que agora haverá. A questão é: o que passará a existir é benéfico para os trabalhadores ou apenas regulariza o que as empresas de aplicativos já fazem? Não é novidade que, em todo o mundo, há uma enorme pressão social contra a situação insustentável de "superexploração" ilegal praticada por essas grandes empresas multinacionais.

A segunda forma de avaliação é tomar como ponto de partida as reivindicações dos representantes dos trabalhadores no Grupo Tripartite.

Segundo a Nota Técnica do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) de 5 de março último, publicada no site da CUT, as reivindicações dos trabalhadores eram as seguintes:

1. Regulamentação tributária e trabalhista conforme setor de atividade ao qual a empresa está vinculada, ou seja, não se trata de empresa de tecnologia, mas de uma empresa que utiliza uma tecnologia específica para seu negócio.

2. Prevalência de acordos e convenções coletivas, bem como de regulamentos próprios, leis municipais e estaduais, que estabeleçam condições mais favoráveis ao trabalhador.

3. Direitos sindicais garantidos conforme previsto nos artigos 8º e 9º da Constituição Federal de 1988 e demais dispositivos regulatórios, em particular os previstos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), cabendo aos sindicatos laborais ter acesso ao algoritmo, no que diz respeito às relações de trabalho que estabelecem com os trabalhadores, garantindo total transparência em suas atividades.

4. Negociação coletiva como o caminho mais adequado para regular os desdobramentos do que já existe em lei para o trabalho em empresas de plataforma.

5. Flexibilidade do trabalhador para definir seus horários de trabalho e descanso, dentro do limite diário e semanal da jornada de trabalho, com direito a desconexão e Descanso Semanal Remunerado (DSR).

6. Vínculo de trabalho definido conforme legislação atual, ou seja, vínculo indeterminado para trabalhadores habituais e vínculo autônomo para trabalhadores eventuais, conforme disposto na CLT e demais regras definidas na tabela, utilizando-se os registros do CBO 5191-10 (Motofretista) e CBO 5191-05 (Ciclista).

7. Jornada de trabalho compreendida como todo o tempo à disposição da empresa - plataforma, desde o momento do login até o logout na plataforma, independentemente da realização ou não de serviço, sendo limitada a oito horas diárias e quarenta e quatro [horas] semanais, com direito a hora extra, caso ultrapasse esse horário, conforme Constituição Federal de 1988.

8. Seguridade social, com filiação do trabalhador ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS) como contribuinte obrigatório e contribuição da parte empregadora, conforme tributação atualmente em vigor, no setor de atividade ao qual a empresa está vinculada.

9. Salário mínimo (mínimo mensal), bem como regras que garantam um valor mínimo por corrida/serviço, paradas extras, taxas para cancelamentos realizados pelos usuários dos serviços e sua atualização anual, realizada por meio de negociação coletiva. Garantir o reembolso de despesas com veículos.

10. Transparência nos critérios relacionados à remuneração, meios de pagamento, fila de ordem de serviço etc., garantindo que qualquer alteração relacionada ocorra somente por negociação coletiva, além de garantir que os códigos e algoritmos sejam submetidos regularmente a auditoria de órgãos especializados do Poder Público.

11. Saúde e segurança: condições garantidas conforme a atividade efectivamente realizada, seguindo as regulamentações já existentes pertinentes a cada actividade e respectivos acordos e convenções colectivas.

12. Exercício e processo de trabalho: as condições de trabalho devem seguir as definições previstas O acordo tripartite para regulamentação do trabalho em plataformas de transporte remunerado de passageiros 4 na CLT e demais regulamentações existentes. Regras específicas devem ser definidas em negociação colectiva com as empresas. Além disso, deve-se criar um cadastro único dos trabalhadores e trabalhadoras que executam actividades nas plataformas, para que o sector público e os sindicatos possam acompanhar as necessidades do sector e realizar acções de fiscalização pertinentes.

O texto do PLC proposto pelo governo federal enquadra os motoristas como trabalhadores autónomos, ou seja, sem vínculo pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), determina o pagamento de alíquota de 27,5% de contribuição no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Desses, 7,5% seriam pagos pelos trabalhadores, e 20%, recolhidos pelas empresas. O texto também estabelece pagamento de R$ 32,09 por hora trabalhada e remuneração de, ao menos, um salário mínimo (R$ 1.412). Segundo a proposta do governo, o tempo de trabalho do motorista não poderá ultrapassar 12 horas por dia, mas, é permitida essa jornada, o que contraria a jornada de 8 horas prevista na CLT.

Comparando a pauta inicial dos trabalhadores e o que propõe o PLC, fica claro que o projecto do governo fica muito aquém do que desejavam os representantes dos motoristas de aplicativos no Grupo Tripartite.

O Ministro do Trabalho, Luiz Marinho, declarou a respeito da questão da opção pela denominação jurídica de autónomos para a categoria:

“Era exactamente o que os trabalhadores pediam: 'Nós não queremos estar rígidos'. O problema é que essa liberdade era uma liberdade falsa, porque os trabalhadores estavam sendo escravizados com longas jornadas e baixa remuneração”.

Há certamente uma controvérsia entre o que diz o Ministro e o ponto 3 da pauta de reivindicações dos representantes dos trabalhadores no Grupo Tripartite, onde, segundo o DIEESE, eram requisitados “Direitos sindicais garantidos conforme previsto nos artigos 8º e 9º da Constituição Federal de 1988 e dos demais dispositivos reguladores, particularmente, os previstos na CLT”.

Em outro momento, a fala de Marinho contradiz a ele próprio: “O que nós mais ouvimos dos trabalhadores de aplicativo: 'Nós não queremos ser enquadrados na CLT, queremos coisa nova'. Mas também ouvimos trabalhadores que gostariam de ter a CLT” (grifo nosso).

Ora, se na pauta apresentada pelos representantes dos trabalhadores havia a reivindicação pela garantia dos direitos da CLT e o próprio ministro do Trabalho reconhece que há entre os milhares de trabalhadores quem queira isso, por que, no melhor estilo da democracia sindical não se consultou os trabalhadores para uma decisão final onde fosse respeitada a vontade da maioria?

As empresas de aplicativos, essas sim são unânimes em rejeitar os direitos inscritos na CLT uma vez que deste modo mantém o alto índice de exploração e suas gigantescas margens de lucro.

O PLC dos motoristas de aplicativos deve trazer dois tipos de preocupações sociais. A primeira delas diz respeito a que abre as portas para uma maior pressão das empresas de aplicativos de entregas (motoboys, etc) em arrancar um acordo rebaixado de regulamentação da profissão. A segunda, de ordem geral para todos os trabalhadores brasileiros, é a de servir de pretexto para escancarar as possibilidades de uma revisão geral da actual jornada de trabalho de 8 horas, aumentando-a para 12 horas em nome de suposto trabalho “autónomo”.

Se a CLT e seus direitos pode ser desconsiderada para um sector económico, certamente servirá ao patronato em geral como um modelo para lastrear uma ofensiva política de generalização do abandono de sua aplicação. Isso num momento em que seria mais que providencial para a classe trabalhadora uma campanha pela redução da jornada de trabalho no país não é um bom sinal.

Numa parte de seu discurso na cerimónia de assinatura do PLC, o Presidente Lula afirmou: “Há algum tempo, ninguém neste país acreditava que seria possível estabelecer uma mesa de negociação entre trabalhadores e empresários, e que o resultado dessa mesa ia concluir uma organização diferente no mundo do trabalho”.

Concordamos com Lula que o PLC propõe uma “organização diferente no mundo do trabalho”, sobretudo diferente das garantias trabalhistas asseguradas na CLT. Caberia aos dirigentes sindicais e aos representantes dos motoristas de aplicativos convocar os trabalhadores deste sector para avaliar colectivamente o que fazer diante do PLC: apoiá-lo sem restrições, fazer emendas a ele no sentido das 12 reivindicações iniciais, apresentar-lhe uma outra proposta alternativa.

Evidentemente que qualquer avanço em relação ao texto proposto no PLC original só seria conquistado com a pressão de mobilizações. Será também a volta das mobilizações dos entregadores (motoboys) que fará empresas como a Ifood deixar a sua intransigência e negociar uma proposta de regulamentação benéfica aos trabalhadores deste setor.

Por fim, é questionável do ponto de vista jurídico se o PLC poderia legalizar o ilegal que hoje próspera na relação de trabalho entre os motoristas de aplicativos e as empresas de plataforma ao colocar de lado as regras da CLT em uma nítida relação de emprego. Como diz o ponto 1 da plataforma de 12 pontos apresentados pelos representantes dos trabalhadores no Grupo Tripartite: “Não se trata de empresa de tecnologia, mas de uma empresa que faz uso de uma tecnologia específica para organizar o seu negócio”.  

Anísio Garcez Homem, escritor e autor de "LRF uma lei antisocial" e Cláudio Antô nio Ribeiro - militante, foi dirigente bancário, opositor à ditadura militar, e advogado trabalhista

As opiniões expressas nesse texto não representam necessariamente a posição do jornal Brasil de Fato.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Pedro Carrano


Relacionadas

  • Lula assina projeto de regulamentação para trabalhadores de aplicativos

  • Julgamento no STF definirá futuro do reconhecimento de vínculo empregatício entre trabalhadores e aplicativos

Outras notícias

  • &39;Ecoar as vozes das mulheres palestinas para que todas sejamos livres&39;

  • O Brasil e as condições para que haja paz entre Israel e Palestina 

  • Na contramão da vida: &39;Não precisamos de mais veneno no nosso prato&39;

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap